segunda-feira, 22 de junho de 2009

Só para postar alguma coisa...


Nuvens, nuvens que passam. Céu claro, nuvens abaixo. Nuvens que passam. O tempo que corre com as nuvens. E o céu ainda azul e intocado, apesar das nuvens que passam abaixo. Nada mudou.

Quilômetros de terra, de mar. Atravessando continentes, atravessando culturas. Turbulências, calmarias. Assim também a vida, o tempo, o espaço. Será que de fato viajamos? Ou será tudo um jogo? Um jogo da consciência? Só Deus sabe...

Fuso horário. O espaço para de correr, mas o tempo continua. A viagem, do ponto de vista do tempo, só termina uma semana depois. Curiosa essa desconjuntura, esse descolamento. Uma dessas viagens faz-se de avião, a outra, de cama, dormindo, sonhando.

Mas tudo isso já foi, e aqui estou eu de novo. Namastê, namaskar. O que sobrou? Uma geleia geral. Tropicalizei a Índia em mim.

Acho que agora só metáforas. Cansei das análises antropológicas, sociológicas, morfosintáticas. Será, daqui por diante, uma análise “Mytzuplik”, que não se sustenta, caso se a vire do avesso.
Saudações!