quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Roda mundo, roda gigante


Corre, corre. O mundo em movimento. A terra roda, e a vida também. O sol nasce, o sol se põe; vem a lua, vai a lua. Os dias passam, e a vida também. Tudo passa. Por que, então, tanto stress?

Nada vai dar certo. Tá tudo em cima da hora. O dinheiro não veio. A urucabaca não passa. A coisa não sai do lugar. Meu Deus, e agora? Nada parece funcionar. Que haja mais esforço, que haja mais resolução. Quero ver o suor sair da testa. Esse troço tem que andar! Põe mais lenha na caldeira, soa o apito, a locomotiva não pode, não vai parar!

A cabeça roda, os pensamentos voam, e o mundo gira, gira. Tudo ao mesmo tempo agora. Meu pai, saravá! Bendito, louvado seja. Nada há de falhar.

Mas se falhar, que Deus nos acuda. Que ajude a catar os cacos que se espalharão por todo lugar...

Tempo, poderoso tempo! Enigmática esfinge que nos devora e desafia! Por que por vezes passas tão depressa; e por outras, tão devagar? Namastê, namaskar. Saudações, ó pai da criação. Criação: obra que apenas o tempo destruirá.

2 comentários:

Malu disse...

Muito bom, querido!
A questão do tempo é uma das mais fascinantes!
Bjaun

Iara disse...

"Tudo passa. Por que, então, tanto stress?" - Adorei, Flavinho. tenho me feito essa pergunta ultimamente.. Beijos com muitas saudades do meu amigo querido e comparsa de outrora! ;)